Artrose ou osteoartrose

O que é? : É a doença mais comum das articulações nos seres humanos e a maior responsável pela diminuição na qualidade de vida e pela incapacidade funcional, principalmente na população idosa.

Apesar de mais comum a partir dos 60 anos, estima-se que a osteoartrose comece a apresentar sintomas desde os 25 anos de idade. Pacientes jovens podem desenvolver essa condição, geralmente secundário à traumas, desalinhamentos articulares ou defeitos da cartilagem.

Como ocorre? : O surgimento da osteoartrose geralmente ocorre devido à associação de diversos fatores e é importante o reconhecimento daqueles que são modificáveis ou passíveis de intervenção médica. Os principais são: idade avançada, injúrias repetitivas, obesidade, maior presença na raça negra, fatores genéticos, sexo (feminino), defeitos congênitos, fraqueza do quadríceps, doença inflamatória articular prévia, doenças endócrinas e defeitos propioceptivos

Quais os sintomas?: Na grande maioria dos casos o principal sintoma é a dor. Outros como rigidez, crepitação e sensação de “areia” nos joelhos também são descritos. Uma parte dos pacientes também apresenta deformidade da articulação, sentindo o joelho acometido “maior” que o outro e apresentando dificuldade para andar.

Como prevenir?: Tanto os exercícios de alongamento como os de fortalecimento muscular e de postura são adequados para manter as cartilagens em bom estado, aumentar a mobilidade de uma articulação e reforçar os músculos circundantes de maneira que possam amortecer melhor os impactos. O exercício deve ser compensado com o repouso das articulações dolorosas após as atividades físicas, porém a imobilização de uma articulação tende mais a agravar a artrose do que a melhorá-la.

Quais os tratamento possíveis?: A aplicação intra-articular de ácido hialurônico, mesoterapia, transplante de cartilagem, suplementação de glicosamina-condroitina, aparecem como novas modalidades terapêuticas. A cirurgia pode ser útil quando a dor persiste apesar dos outros tratamentos.

A cirurgia depende dos sintomas e idade do paciente, podem variar desde artroscopias paliativas até a substituição da articulação (prótese).